Sábado
13 de Julho de 2024 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Segunda-feira - Rio de Jane...

Máx
32ºC
Min
24ºC
Chuva

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
34ºC
Min
26ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
35ºC
Min
27ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Rio de Janei...

Máx
34ºC
Min
26ºC
Parcialmente Nublado

Controle de Processos

EPM inicia curso sobre a Lei do Superendividamento e meios alternativos de solução de conflitos

Renata Mota Maciel ministrou a aula inaugural.   A Escola Paulista da Magistratura (EPM) iniciou nesta quinta-feira (1º) o curso Lei do Superenpidamento e meios alternativos de solução de conflitos: aspectos teóricos e práticos, com exposição da juíza Renata Mota Maciel, coordenadora da área de Direito Empresarial da EPM. Realizado de maneira on-line, o curso teve 860 inscritos e é direcionado a mediadores e conciliadores auxiliares do Tribunal de Justiça de São Paulo e a servidores do TJSP. A abertura dos trabalhos foi feita pelo vice-diretor da EPM, desembargador Gilson Delgado Miranda, representando o diretor, que manifestou a satisfação pela realização do curso e agradeceu a participação de todos, em especial da palestrante e o trabalho da desembargadora Maria Lúcia Ribeiro de Castro Pizzotti Mendes, coordenadora do curso e do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec). Ele destacou o sucesso do curso e a sua importância para a capacitação dos mediadores e conciliadores, a fim de promover a melhor prestação do serviço público aos jurisdicionados, que é o objetivo da Escola. A juíza Maria Rita Rebello Pinho Dias, integrante do Nupemec e palestrante do curso, falou em nome da coordenação. Ela agradeceu a direção da EPM e ressaltou que o curso é fundamental porque capacita os auxiliares da Justiça em relação à Lei do Superenpidamento (Lei nº 14.181/21) que, se bem aplicada, promoverá, por meio da conciliação, a desjudicialização dos conflitos, evitando o ajuizamento de ações envolvendo débitos e créditos. “A nova lei traz ferramentas importantes e a atuação dos conciliadores é fundamental”, frisou. A juíza Renata Maciel explanou sobre a Lei nº 14.181/21 e como ela disciplina o tratamento que deve ser dado ao superenpidado. Ela salientou o direito ao mínimo existencial e falou sobre o tratamento legislativo de proteção conferido ao superenpidado e qual o papel do sistema de Justiça na regulação do tema. Lembrou que, além dos efeitos econômicos, há os efeitos socioeconômicos do superenpidamento. Acrescentou que no tratamento das partes não pode haver extremos, devendo a lei ser aplicada com equilíbrio, preservando a segurança jurídica. E ressaltou a importância da educação financeira como política pública para o consumo consciente. imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial www.linkedin.com/company/tjesp
04/06/2023 (00:00)
Visitas no site:  23154081
© 2024 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia