Terça-feira
28 de Junho de 2022 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Controle de Processos

Equipe do Judiciário realiza palestra sobre violência doméstica em escola de Cuiabá

A equipe técnica da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar no âmbito do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (Cemulher-MT) esteve na Escola Estadual Professor Welson Mesquita, no bairro Pascoal Ramos, em Cuiabá, para levar informações e orientações sobre o enfrentamento da violência doméstica e familiar contra a mulher. As informações auxiliam jovens a identificar os tipos de violência no âmbito familiar, bem como no processo de denúncia.   Cerca de 560 alunos e alunas que frequentam a unidade de ensino no período vespertino ouviram sobre o que é a Lei N. 11.340/06, mais conhecida como Lei Maria da Penha, quais os tipos de violência, quais os amparos, as redes de apoio existentes na Capital e como realizar denúncia segura.   De acordo com a psicóloga da Cemulher-MT, Renata Carrelo da Costa, na oportunidade a equipe apresentou a Cartilha Infantil de Combate à Violência Doméstica, que identifica os tipos de violências. Vários exemplares físicos foram entregues à direção da escola, além da cartilha em formato digital para que professores e professoras possam trabalhar com o material em sala de aula.   “Durante a visita foi propiciado a reflexão a educadores e alunos que a escola assuma um papel mais efetivo na defesa dos direitos da criança, construindo estratégias eficazes de enfrentamento da violência doméstica”, diz a psicóloga.   Além disso, para Renata Costa esta foi uma oportunidade para orientação na formulação e planejamento das atividades educativas que possam prevenir e reduzir violência doméstica e familiar.   Para a assistente social da Cemulher, Adriany Carvalho, a intenção das visitas técnicas é informar para reduzir as estatísticas, especialmente quanto ao feminicídio, com apresentação de casos reais. “Acreditamos que a educação de gênero começa na escola. Quando os jovens têm contato com teoria, legislação, dados estatísticos e relatos de casos de violência doméstica, como apresentamos, tudo isso causa neles uma inquietação e isso aguça curiosidade para buscar mais sobre a temática. Com isso eles podem conversar com pais, irmãos, amigos e difundem as informações”, explica a assistente social.   A diretora da escola, Joelma Teixeira, destaca a importância de trabalhar o tema nas unidades de ensino. Segundo ela, a visita das técnicas da Cemulher é de extrema importância e é “uma ação que fortalece o relacionamento social das crianças e adolescentes que hoje são tão vulneráveis. Em alguns casos compromete muito o processo de ensino da criança e adolescente.”   Essa matéria possui recursos de texto alternativo para promover a inclusão das pessoas com deficiência. Imagem 1- Alunos e alunas estão sentados (as) em cadeiras na quadra da escola ouvindo uma das técnicas da Cemulher-MT, que fala sobre violência doméstica e familiar contra crianças e adolescentes.      
Visitas no site:  15842856
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia